Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10284/747
Título: Sincronizando o kitsch
Autor: Moutinho, Ana Viale
Palavras-chave: kitsch
arte
comunicação
Data: 2001
Editora: Centro Cultural do Alto Minho
Citação: Mealibra - Revista de Cultura
Relatório da Série N.º: 8
Resumo: Por ser um termo relativamente recente, e por se utilizar com várias conotações, umas certas e outras erradas, vou abordar o kitsch neste artigo para tentar contribuir com uma achega com vista à sua definição e à sua tipologia. Assim, começarei por definir o termo e sincronizar o seu, aparecimento no espaço e no tempo. Digo sincronizar e não localizar, porque, como veremos, ele começou no séc. XIX na Baviera e teve, desde logo, vários significados, todos eles sinónimos de vigarice, falsificação ou “piroso”. Mas kitsch é, ou pode ser, mais do que isso. Kitsch pode ser uma anti-Arte, e isto quer dizer que ele deve ter alguma Arte para poder ser considerado como tal; é ele que vai ajudar a levar um pouco de cultura às massas. Finalmente, sincronizo o kitsch através da sua tipologia, isto é, depois de investigar sobre este tema, pude constatar que, no fundo, ele pode ser classificado em quatro tipos que abarcam praticamente todas as formas em que o kitsch nos aparece.
URI: http://hdl.handle.net/10284/747
ISSN: 1645-0604
Aparece nas colecções:FCHS (DCEC) - Artigos em Revistas Científicas Nacionais com Arbitragem Científica

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
kitsch.pdf359,98 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.