Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10284/4813
Título: GRBASH – Scale for Evaluating the Hoarse Voice
Outros títulos: tradução, adaptação e análise psicométrica para o Português Europeu
Autor: Santos, Mónica Esgueira dos
Orientador: Freitas, Susana
Palavras-chave: Voz
Disfonia
Avaliação
Percetivo-auditiva
Acústica
Análise psicométrica
Voice
Dysphonia
Evaluation
Auditory-perceptual
Acoustic
Psychometric analysis
Data de Defesa: 2013
Editora: [s.n.]
Resumo: Introdução: A necessidade de se dispor de escalas padronizadas e adaptadas aos diversos meios socioculturais e linguísticos assume-se fundamental no contexto de avaliação em terapia da fala. A avaliação percetivo-auditiva da voz necessita de se transformar numa avaliação objetiva, com dados padronizados. Assim sendo, e dada a escassez de escalas e testes para avaliar percetivamente a qualidade vocal em Portugal, foi levado a cabo o presente estudo que teve como objetivo traduzir e adaptar a escala GRBASH – Scale for Evaluating the Hoarse Voice para o Português Europeu, analisar as propriedades psicométricas da escala e, por último, identificar associações entre avaliação percetivo-auditiva, medidas acústicas e variáveis atributo: sociodemográficas, clínicas e comportamentais. Participantes e métodos: Realizou-se um estudo do tipo quantitativo-descritivo transversal, com a tradução e retroversão da escala GRBASH – Scale for Evaluating the Hoarse Voice por tradutores independentes. A escala GRBASH na versão final foi aplicada a 80 amostras vocais de 80 sujeitos de ambos os sexos, com média de 51,5 (DP=14,7) anos de idade. A amostra vocal é composta pela sustentação da vogal /a/ em intensidade e altura confortáveis ao sujeito, sendo posteriormente submetidas a uma avaliação percetivo-auditiva pelo painel de peritos e extração dos parâmetros acústicos (F0 média, jitter, shimmer e HNR). Para testar as características da escala foi usada a análise das componentes principais e análise da consistência interna. Resultados: No que diz respeito à distribuição das variáveis em estudo pela idade dos indivíduos, verifica-se que os que consomem outros medicamentos para além daqueles usados para a voz apresentam uma maior representatividade nos mais velhos (38,2 vs. 61,7; p=0,049); nos indivíduos com consumo de álcool (33,3 vs. 67,7; p=0,022) e nos que referem alterações hormonais (30,0 vs. 70,0; p=0,015). Estas conclusões obtiveram diferenças estatisticamente significativas para as variáveis em estudo. Após a análise de componentes principais foram extraídas duas componentes: CP1 – Grau, Rouquidão, Tensão, Aspereza e CP2 – Soprosidade e Astenia, que explicam 76,41% da variância, com um alfa de Cronbach de 0,763 e de 0,548, respetivamente CP1 e CP2. A consistência interna das duas componentes confirmam que a escala é um instrumento homogéneo para avaliar a disfonia. No que diz respeito à distribuição dos scores pelas variáveis sociodemográficas, variáveis clínicas e comportamentais, não se verificaram quaisquer diferenças estatisticamente significativas dos scores da componente principal 1. Relativamente à componente principal 2 verificou-se que os indivíduos com consumo de outra medicação (32,7 vs. 24,2; p=0,031) sem consumo de álcool (34,2 vs. 23,1; p= 0,004) e hábitos tabágicos (22,9 vs. 33,0; p=0,005) apresentam uma média de scores superior. No que diz respeito à avaliação da validade do critério, comparando as diferenças de médias obtidas na qualidade da voz (CP1 e CP2) pela avaliação acústica, verifica-se que de uma forma geral não existe uma relação entre a qualidade percetiva da voz e a F0 em ambos os sexos. No entanto, apesar de não terem sido realizadas inferências estatísticas, as mulheres apresentam uma média superior de F0. Por outro lado, para as variáveis jitter (CP1 p=0,002; CP2 p= 0,019), shimmer (CP1 p<0,001; CP2 p=0,008) e HNR (CP1 p<0,001; CP2 p=0,001) verificaram-se diferenças estatisticamente significativas, para ambas as componentes da escala. No que diz respeito à distribuição da frequência fundamental média (F0) pelas variáveis sociodemográficas, variáveis clínicas e comportamentais, verifica-se que homens mais velhos possuem uma média significativamente superior comparando com homens mais novos (154,0 vs. 126,1; p=0,020). Verifica-se que homens com presença de patologia laríngea possuem uma média de F0 superior (147,5 vs. 123,1; p=0,010). As mulheres que consomem outros medicamentos (exceto medicamentos para a voz) possuem uma média da F0 superior (169,5 vs. 163,6; p=0,023). As mulheres que fumam possuem uma F0 menor (155,7 vs. 196,0; p=0,024). Os homens com refluxo faringo-laríngeo possuem uma F0 inferior (124 vs. 155,1; p=0,013) e as mulheres com alterações hormonais possuem uma F0 maior (209,2 vs. 167,8; p=0,005). Para as restantes variáveis não se verificam diferenças estatisticamente significativas. Nas restantes variáveis acústicas verifica-se que os indivíduos do sexo masculino possuem uma média de jitter inferior (0,6 vs. 1,0; p=0,004). Para a variável HNR, os indivíduos que têm doença respiratória aguda nas últimas 4 semanas, possuem um valor menor (9,3 vs. 13,3; p=0,020). Para a variável jitter, verificou-se que quem consome álcool possui uma média significativamente menor (0,6 vs. 1,0; p=0,024). Conclusão: Os resultados deste estudo permitem comprovar as hipóteses teóricas levantadas e demonstraram que a escala GRBASH – Escala para Avaliação da Disfonia é um instrumento com boas propriedades psicométricas para ser usado na população portuguesa. Introduction: The need to have standardised scales adapted to various sociocultural and linguistic environments becomes crucial in the context of evaluation in speech therapy. The auditory-perceptual evaluation of voice needs to become an objective assessment with standardised data. Therefore, given the scarcity of scales and tests to perceptively evaluate voice quality in Portugal, this study was conducted, which aimed to translate and adapt the GRBASH – Scale for Evaluating the Hoarse Voice to European Portuguese, analyse the psychometric properties of the scale and, finally, identify associations between auditory-perceptual evaluation, acoustic measurements and sociodemographic, clinical and behavioural attribute variables. Participants and methods: We conducted a quantitative/descriptive cross-sectional study, with translation and reverse translation of the GRBASH – Scale for Evaluating the Hoarse Voice scale performed by freelance translators. The final version of the GRBASH scale was administered to 80 voice samples of 80 subjects of both sexes, with a mean of 51.5 (SD = 14.7) years of age. The vocal sample consists of the maintenance of the vowel /a/ at an intensity and volume comfortable to the subject, which is subsequently subjected to perceptual-auditory evaluation by the panel of experts and extraction of acoustic parameters (mean F0, jitter, shimmer and HNR). To test the characteristics of the scale, analysis of the principal components and analysis of internal consistency were used. Results: In relation to the distribution of the variables studied by the age of the subjects, it appears that those taking medicines other than those used for the voice are more prevalent among older subjects (38.2 vs. 61.7, p=0.049); in subjects who consume alcohol (33.3 vs. 67.7, p=0.022) and in those who report hormonal changes (30.0 vs. 70.0; p=0.015). These findings resulted in statistically significant differences for the variables under study. After analysis of the principal components, two components were extracted: CP1 – Grade, Roughness, Strain, Harshness and CP2 – Breathiness and Asthenia, which explain 76.41% of the variance, with a Cronbach's alpha of 0.763 and 0.548 in CP1 and CP2 respectively. The internal consistency of the two components confirms that the scale is a uniform instrument for evaluating dysphonia. With regard to the distribution of the scores by sociodemographic, clinical and behavioural variables, there were no statistically significant differences in the scores of principal component 1. Regarding principal component 2, it was found that subjects taking other medicines (32.7 vs. 24.2, p=0.031) who do not consume alcohol (34.2 vs. 23.1, p=0.004) or smoke (22.9 vs. 33.0, p=0.005) showed higher mean scores. As regards the assessment of the validity of the criterion, comparing the differences in the averages obtained in voice quality (CP1 and CP2) by acoustic evaluation, it is found that, in general, there is no relationship between perceptive quality of the voice and F0 in both sexes. However, despite statistical inference not having been applied, women have a higher average F0. On the other hand, the variables jitter (CP1 p=0.002; CP2 p=0.019), shimmer (CP1 p<0.001; CP2 p=0.008) and HNR (CP1 p<0.001; CP2 p=0.001) demonstrate statistically significant differences for both components of the scale. With respect to the distribution of mean fundamental frequency (F0) by sociodemographic, clinical and behavioural variables, it appears that older men have a significantly higher average compared to younger men (154.0 vs. 126.1; p=0.020). It appears that men with laryngeal disease have a higher average F0 (147.5 vs. 123.1; p=0.010). Women taking other medicines (except medicines for the voice) have a higher average F0 (169.5 vs. 163.6; p=0.023). Women who smoke have a lower F0 (155.7 vs. 196.0; p=0.024). Men with gastroesophageal reflux have a lower F0 (124 vs. 155.1, p=0.013) and women with hormonal changes have a higher F0 (209.2 vs. 167.8; p=0.005). For the remaining variables, no statistically significant differences are found. In the remaining acoustic variables, it appears that male subjects have a lower average jitter (0.6 vs. 1.0; p=0.004). For the variable HNR, subjects who have had acute respiratory disease in the past 4 weeks exhibit a lower value (9.3 vs. 13.3; p=0.020). For the variable jitter, it was found that who consume alcohol have a significantly lower average (0.6 vs.1.0; p=0.024). Conclusion: The results of this study allow us to confirm the theoretical hypotheses raised and demonstrate that the GRBASH Scale for the Evaluation of Dysphonia is an instrument with good psychometric properties for use among the Portuguese population.
Descrição: Trabalho de Projeto apresentado à Universidade Fernando Pessoa como parte dos requisitos para obtenção do grau de Mestre em Terapêutica da Fala, área de especialização em Linguagem no Adulto
URI: http://hdl.handle.net/10284/4813
Aparece nas colecções:ESS (DCETS) - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
“GRBASH – Scale for Evaluating the Hoarse Voice tradução, ad.pdfTP_143661,33 MBAdobe PDFVer/Abrir
Anexos.pdfAnexosTP14366924,74 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.