Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10284/4597
Título: Relação entre saúde oral e doenças sistémicas numa população idosa institucionalizada
Autor: Brito, Vera Mónica Fernandes
Orientador: Bulhosa, José Frias
Data de Defesa: 2014
Editora: [s.n.]
Resumo: As pessoas vivem cada vez mais anos, por isso é expectável que todos iremos passar por uma fase da vida em que irá ocorrer uma progressiva debilitação e um agravamento da dependência de terceiros para realizar as atividades diárias, o que resulta na perda de autonomia. O envelhecimento populacional pressupõe um risco maior de institucionalização. Os idosos institucionalizados apresentam, geralmente, doenças crónicas, desinteresse pela higiene oral, falta de acuidade visual e destreza manual. O impacto do processo de envelhecimento na cavidade oral deve ser reconhecido por todos os médicos dentistas para a elaboração de um correto diagnóstico e tratamento. As alterações fisiológicas, os padrões de saúde oral típicos deste grupo, o consumo elevado de fármacos, a existência de doenças crónicas associadas e a possível interação entre estas e a saúde oral constituem os fatores a ter em conta no planeamento de um tratamento adequado. A promoção e prevenção oral devem assumir um papel de destaque naquela que deverá ser uma mudança de paradigma na abordagem aos cuidados de saúde oral, isto tendo em conta o progressivo envelhecimento populacional, a crise económica que precipita a restrição no acesso a este tipo de cuidados, sendo que estes só são procurados em episódios de urgência com dor. Assente nestes pressupostos foi realizado um estudo com o principal objetivo de relacionar o estado de saúde oral em idosos institucionalizados com as doenças sistémicas mais prevalentes nesta faixa etária (diabetes, doenças cardiovasculares, infeções respiratórias, Alzheimer, osteoporose entre outras) e ainda analisar o conhecimento que este grupo possuí sobre a influência da saúde oral na saúde sistémica. Numa primeira fase foi aplicado um inquérito à população idosa alvo. Foram inqueridos 49 indivíduos com uma média de idades (desvio padrão) 77,51±6,97, dos quais 71% eram do género feminino e os restantes (29%) do género masculino. Destes, 73% referiram que a saúde oral tem pouca influência na saúde sistémica. Quanto à higienização da cavidade oral 29% diz não realizar e apenas 14% o faz duas vezes ao dia. A grande maioria da amostra não utiliza meios complementares de higiene oral (soluções de bochecho e fio dentário). Tendo sido ainda observada a pouca frequência de visitas ao médico dentista, 49% não consulta o dentista há mais de 3 anos. Relativamente ao uso da prótese dentária, 65% utilizam e desses, 16% tem por hábito dormir com a prótese. A higienização da prótese dentária é negligenciada por 22% da amostra. Problemas como a xerostomia e a síndrome de boca ardente são encontradas nesta população. As patologias sistémicas mais frequentes nesta amostra são a doença cardiovascular e a diabetes, sendo que a menos representativa é a doença de Alzheimer. Numa segunda etapa foi examinada a cavidade oral através do índice CPOD, concluindo-se que a maior parte da amostra era desdentada total (28 indivíduos). A associação entre doenças sistémicas e saúde oral é estatisticamente significativa, no entanto serão necessários analisar outros fatores de risco modificáveis (hereditariedade, doença periodontal, fatores ambientais, álcool entre outros) para se concluir com precisão esta correlação. Nowadays people live more years than they used to, so it is expected that we pass through a phase where occurs a progressive debilitation and increased dependency of others to manage everyday activities, which results in autonomy loss. The growing age often results in institutionalization. The institutionalized elders present, usually, chronic illness, careless in oral health and loss of sight and hand capability. Every dentist should recognize the impact in the aging of people related with the oral cavity, so they can properly treat and diagnose. The factors which we must concern ourselves with are the physiological alterations, the oral health typical standards of this group, associated chronical diseases and the elevated pharmaceutical use. The prevention and promotion of oral health must assume a major role in the change to come in the paradigm of oral care, taking notice of the aging, economic crisis restrings access to treatment, leaving only painless episodes the attention every problem should have. Following this assumptions, it was made a study with the main focus searching the relation of oral status in institutionalized elderly with systemic illness most found in this age group (diabetes, cardiovascular disorders, pulmonary infections, Alzheimer, osteoporosis, among other) and analyses the knowledge of this group about influence of oral health in systemic health. In a first phase was applied a questionary to the target population group. There were inquired 49 individuals with a age basis of 77,51 ±6,97 , which 71% were from the feminine gender and the other 29% were from the masculine. From this 73% refer that oral health as low importance on systemic health. As for the cleanness of oral cavity 29% says that they don’t practice it and only 14% does it twice a day. The vast majority of the sample doesn’t use complementary means of oral hygiene (dental flow and oral solutions). Furthermore, there was observed that the low frequency of visits to the dentist, 49% doesn’t go to the dentist in the last three years. As for the use of oral prosthesis, 65% use them and 16% has the habit of sleeping with it. The hygienization of the prosthesis is neglected by 22% of the sample. Problems with xerostomy and burning mouth syndrome were found. The systemic pathologies more frequent in the sample are cardiovascular disorders and diabetes, being the less representative Alzheimer’s. In the second stage was examined the oral cavity through CPOD index, the most part was edentulous. The connection beneath oral health and systemic illness is statistically remarkable, but there are needed more modified risk factors analyzed (heritage, periodontal disease, environmental factors and alcohol usage) to determine that precise correlation.
Descrição: Projeto de Pós-Graduação/Dissertação apresentado à Universidade Fernando Pessoa como parte dos requisitos para obtenção do grau de Mestre em Medicina Dentária
URI: http://hdl.handle.net/10284/4597
Aparece nas colecções:FCS (DCM) - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
PPG_20193.pdf785,39 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.