Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10284/3911
Título: Membranas não reabsorvíveis Vs reabsorvíveis
Autor: Bisegna, Marcel
Orientador: Salgado, Abel
Data de Defesa: 2013
Editora: [s.n.]
Resumo: As membranas reabsorvíveis e não reabsorvíveis são materiais utilizados nas técnicas de Regeneração Tecidular Guiada e de Regeneração Óssea Guiada na Medicina Dentária, desenvolvidas nos últimos 20-30 anos, permitindo alcançar resultados de outra maneira inimagináveis. Este trabalho quer efectuar uma revisão da literatura permitindo verificar o estado da arte e as perguntas que ainda precisam de ser respondidas em relação à utilização de um ou outro tipo de membranas, proporcionando um ponto de partida para a investigação, para tal foi efectuada uma pesquisa em três bases de dados (PubMed, Web of Knowledge e Wiley), foram também utilizados livros para introduzir os conceitos sobre as aplicações desses materiais. No que diz respeito à RTG: É aconselhável a utilização de membranas reabsorvíveis poliméricas nos defeitos infra-ósseos de 2 e 3 paredes, nos defeitos de furca de classe II e nos defeitos provocados por tratamento endodôntico de tamanho maior. São necessários mais estudos: Para avaliar a utilização de RTG com membranas não reabsorvíveis ou reabsorvíveis em defeitos infra-ósseos de 1 parede e defeitos de furca de classe III. Para confirmar qual o tipo de defeitos provocados por tratamento endodôntico cirúrgico que poderão ter indicação de RTG e para avaliar a utilidade da RTG em defeitos de recessão gengival. No que diz respeito à ROG: É clara a necessidade de estudos para comparação das membranas, devido à escassez actual, contudo: Nos defeitos ósseos horizontais é aconselhável a utilização de membranas reabsorvíveis poliméricas. Nos defeitos de deiscência e fenestração a utilização de membranas reabsorvíveis com enxerto e membranas não reabsorvíveis é comparável, requerendo uma avaliação da relação custo-benefício. Não parece haver vantagens na ROG em alvéolos pós extraccionais quando se consegue a estabilidade primária, contudo são necessários mais estudos para comprovar esta teoria. Nos defeitos verticais não há evidência suficiente para aconselhar especificamente o uso de um tipo de membrana, sendo necessária a comparação da utilização de membranas em politetrafluoretileno reforçadas em titânio ou placas de osteossíntese cobertas por membranas reabsorvíveis. Resorbable and non-resorbable membranes are materials used in the techniques of Guided Tissue Regeneration (GTR) and Guided Bone Regeneration (GBR) in Dentistry, developed in the last 20-30 years, allowing the achievement of results otherwise unthinkable. This work intends to conduct a review of the literature , checking the state of the art and the questions that still need to be answered regarding the use of either type of membrane, providing a starting point for research, for such a search was made in three databases (PubMed, Web of Knowledge and Wiley), books were also used to introduce the concepts of the applications of these materials. About GTR: It is recommended to use resorbable polymeric membranes in 2 or 3 walls infrabony defects, defects of class II furcation and defects of larger size caused by endodontic treatment. Further studies are needed: To compare the use of titanium reinforced polytetrafluoroethylene and resorbable polymeric membranes in infrabony 1 wall defects and furcation class III defects. To confirm what type of defects caused by surgical endodontic treatment may be indicated for GTR and to evaluate the usefulness of the GTR in gengival recession defects. About GBR: The need for more focused research on the comparison of resorbable and non resorbable membranest is clear, due to the current shortage, however: The use of resorbable polymeric membranes is recommended in horizontal defects. The use of non-resorbable or resorbable polymeric membranes plus graft for dehiscence and fenestration defects is comparable, requiring a cost-benefit assessment. There seems to be no advantage in the use of GBR in post extractional alveoliqhen primary stability is achieved, however more studies are needed to confirm this theory. In the vertical defects there is insufficient evidence to advise the use of a specific membrane type, it’s required to compare directly the use titanium reinforced PTFE membranes with the use of osteosynthesis plates covered with resorbable membranes.
Descrição: Projeto de Pós-Graduação/Dissertação apresentado à Universidade Fernando Pessoa como parte dos requisitos para obtenção do grau de Mestre em Medicina Dentária
URI: http://hdl.handle.net/10284/3911
Aparece nas colecções:FCS (DCM) - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
membranas não reabsorvíveis vs reabsorvíveis.pdf709,77 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.