Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10284/3861
Título: Ansiedade perante a morte e imortalidade simbólica
Outros títulos: estudo comparativo entre diferentes grupos
Autor: Carneiro, Rúben José Sotto Maior Faria
Orientador: Martins, José Soares
Palavras-chave: Ansiedade perante a morte
Imortalidade simbólica
Death anxiety
Symbolic immortality
Data de Defesa: 2013
Editora: [s.n.]
Resumo: A morte e a consciência de morte são limites fundamentais da existência do indivíduo. Pode ser profundamente perturbador enfrentar a inevitabilidade da nossa própria morte e até mesmo da morte dos que nos rodeiam, gerando o que os autores apelidam de ansiedade perante a morte (Santos, 2001; Lifton, 1979). No entanto, ao mesmo tempo, é maravilhoso e reconfortante apercebermo-nos que há várias formas de podermos enfrentar e combater essa angústia. Referimo-nos aqui à imortalidade simbólica e aos seus modos biológico, criativo, natural, religioso/espiritual e transcendental (Lifton, 1979). O objectivo principal do nosso estudo foi explorar a relação/ligação entre estes dois conceitos e analisa-los em função de diferentes grupos de indivíduos (de acordo com a idade, sexo, estado civil, situação profissional, escolaridade, ter ou não ter filhos e o número de filhos). Procuramos contudo ilustrar de forma mais afincada a potencial importância do nascimento de um filho em relação a estes dois conceitos. Participaram no presente estudo 103 indivíduos, que constituíram uma amostra de conveniência, sendo 58 do sexo feminino (56,3%) e 45 do sexo masculino (43,7%) e com uma média de idades situada nos 40,5. As idades dos indivíduos estão compreendidas entre os 25 e os 65 anos. Os mesmos responderam a um Questionário Sociodemográfico e a duas escalas, Escala de Ansiedade Perante a Morte, do autor Templer (1970), traduzida e adaptada por Santos (1999) para a população portuguesa e Escala do Sentido de Imortalidade Simbólica, desenvolvida por Drolet (1990) e traduzida e adaptada por Santos (1999) para o contexto português. De um modo geral verificaram-se resultados que apontam para uma correlação negativa entre ansiedade perante a morte e imortalidade simbólica e alguns dos modos de imortalidade simbólica a servirem de certo modo para explicar mudanças nos níveis de ansiedade perante a morte. Encontramos diferenças estatisticamente significativas entre os grupos constituídos em função da idade (em relação à imortalidade simbólica), sexo e estado civil (em relação à ansiedade perante a morte. Nos outros grupos constituídos não encontramos diferenças, quer em relação à ansiedade perante a morte, quer em relação à imortalidade simbólica.
The awareness of death and death are fundamental limits of the individual existence. May be deeply disturbing to face the inevitability of our own death and even the death of those around us, creating what the authors describe as death anxiety (Santos, 2001; Lifton, 1979). However, at the same time is wonderful and comforting for us to perceive that there are several ways we can confront this anxiety. We refer here to the symbolic immortality and their modes, biological, creative, natural, religious / spiritual and transcendental (Lifton, 1979). The main objective of our study was to explore the relationship / connection between these two concepts and analyzes them for different individual groups (according to age, sex, marital status, employment status, education, to have or not children and the number of the children). However we seek to illustrate more, the potential importance of the birth of a child in relation to these two concepts. The sample in this study was 103 individuals, which constituted a convenience sample, 58 women (56.3%) and 45 males (43.7%) with a mean age set in 40.5. The ages of the individuals are between 25 and 65. They answered a sociodemographic questionnaire and two scales, Death Anxiety Scale (Templer, 1970), translated and adapted by Santos (1999) for the Portuguese population and Sense of Symbolic Immortality Scale, developed by Drolet (1990 ) and translated and adapted by Santos (1999) for the Portuguese context. In general there were results that point to a negative correlation between death anxiety and symbolic immortality and some modes of symbolic immortality to serve as a way to explain changes in death anxiety levels. We found statistically significant differences between the groups formed according to age (in relation to symbolic immortality), sex and marital status (relative to death anxiety). In the other groups made no differences were found, either in relation to death anxiety, either in relation to symbolic immortality.
Descrição: Dissertação apresentada à Universidade Fernando Pessoa como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Mestre em Psicologia, ramo de Psicologia Clínica e da Saúde
URI: http://hdl.handle.net/10284/3861
Aparece nas colecções:FCHS (DCPC) - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
DM_14811.pdf2,27 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.