Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10284/2763
Título: Cuidar do doente em fase terminal
Outros títulos: vivências e estratégias adoptadas pelos enfermeiros
Autor: Sampaio, Anita Isabel da Costa
Orientador: José, Amélia
Palavras-chave: Cuidar
Doente em fase terminal
Vivências
Estratégias
Care
Terminally ill
Experiences
Strategies
Data de Defesa: 2011
Editora: [s.n.]
Resumo: A morte é um fenómeno extremamente complexo: por um lado parece estar presente ao longo de toda a nossa vida por outro parece manter-se radicalmente ausente enquanto vivemos. A morte é-nos simultaneamente próxima e distante. (Pacheco, 2004, p.1) A morte faz parte intrínseca da condição humana. Morrer é a única certeza absoluta que todos temos na vida. A definição de morte é controversa mas, independentemente de como se interpreta, é um facto natural ainda que cada um a vive e a interpreta à sua maneira. Falar de morte continua a ser tabu e incómodo pois cada um de nós pensa ser imortal e inconscientemente não queremos aceitar a ideia de morrer porque, o simples pensamento causa angústia e sofrimento. O problema não reside somente em sermos mortais e que temos de morrer algum dia mas, que a morte parece algo irracional, ilógico e incompreensível. A mortalidade inclui além disto dois aspectos muito importantes: o ter necessariamente de morrer e o não saber como, nem quando. A escolha deste tema deve-se ao interesse que o mesmo desperta, uma vez que é inerente a um aspecto que nos toca a todos profundamente a morte, (Hennezel, 2002) e por permitir a compreensão do modo como funciona o próprio enfermeiro, enquanto ser humano perante a morte das pessoas de quem cuida. Através desta investigação verificou-se que os enfermeiros desenvolvem, efectivamente, distintos mecanismos de defesa ao cuidar do doente terminal. E, numa avaliação geral os enfermeiros acreditam que cuidar de doentes terminais torna-os mais sensíveis e humanos. Os maiores desafios que se colocam aos enfermeiros, quer a nível pessoal, quer a nível profissional é o cuidar de doentes em fase terminal. O enfermeiro deverá ajudar o doente a viver o melhor possível até morrer. Isto passa por uma assistência humana e compreensiva, pelo estabelecimento de uma comunicação e relação empática. Se todos nós, e muito concretamente os enfermeiros pensássemos, ou melhor, começássemos a pensar na possibilidade da nossa morte, certamente seríamos capazes de realizar muitas coisas e uma das mais importantes seria, sem dúvida, conseguir um maior bem – estar, dos doentes e suas famílias. Death is an extremely complex phenomenon: on one hand seems to be present throughout our lives for others seem to stay away while we live radically. The death we are both close and distant (Pacheco, 2004, p.1) Death is an intrinsic part of the human condition. Dying is the only absolute certainty that we all have in life. The definition of death is controversial, but, regardless of how it is interpreted, it is still a natural fact that each of the lives and interpreted in various ways. Talking about death is still taboo and cumbersome because each of us thinks he is immortal and do not want to unconsciously accept the idea of dying because the mere thought causes anguish and suffering. The problem lies not only in being mortal and that we have to die someday, but that death seems something irrational, illogical and incomprehensible. Mortality addition includes two important aspects: the necessarily having to die and not knowing how or when. The choice of this theme is due to the interest that he wakes up, since it is inherent in an issue that deeply concerns us all to death (Hennezel, 2002) and enables understanding of how nurses work himself, while human beings to death of people he cares for. Through this investigation it was found that nurses develop, indeed, different defense mechanisms to take care of the terminally ill. And, upon the whole the nurses believed that caring for terminally ill patients makes them more sensitive and human. The major challenges to nurses, both at personal or professional level is caring for the terminally ill. The nurse should help the patient live the best you can until you die. This involves a comprehensive and human assistance, the establishment of a communication and empathic. If all of us, and specifically the nurses think, or better, we started to think about the possibility of our death, certainly we would be able to accomplish many things and one of the most important would undoubtedly achieve a greater good - being patient and their families.
Descrição: Trabalho apresentado à Universidade Fernando Pessoa como parte dos requisitos para obtenção do grau de Licenciada em Enfermagem.
URI: http://hdl.handle.net/10284/2763
Aparece nas colecções:ESS (DCETS) - Outros Trabalhos Académicos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
T_18697.pdf552,59 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.