Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10284/2643
Título: Artes do corpo biocibernético e suas manifestações no Brasil
Autor: Santaella, Lucia
Palavras-chave: Corpo e tecnologia
Simulação
Biotecnologia
Subjetividade
Body and technology
Simulation
Biotechnology
Subjectivity
Data: 2008
Editora: Edições Universidade Fernando Pessoa. NELA - Núcleo de Estudos Latino-Americanos
Citação: Nuestra América. Porto. ISSN 1646-5024. 5 (Jan - Jul 2008) 147-163.
Relatório da Série N.º: Nuestra América;5 (Jan - Jul 2008)
Resumo: O corpo humano está em todos os lugares. Comentado, transfigurado, pesquisado, dissecado na filosofia, no pensamento feminista, nos estudos culturais, nas ciências naturais e sociais, nas artes e literatura. Nas mídias, suas aparições são levadas ao paroxismo. Como explicar essa onipresença? Para aqueles que estão refletindo sobre as novas formações culturais na era digital da comunicação em escala planetária, esse fenômeno pode ser em parte explicado pelas inquietações provocadas pelos processos de corporificação, descorporificação e recorporificação propiciados pelas tecnologias do virtual e pelas emergentes simbioses entre o corpo e as máquinas. Ao criarem a ilusão de que é possível transcender o corpo carnal através das descorporificações da simulação, tais processos e simbioses colocam em crise as crenças em uma relativa estabilidade dos limites corporais, pondo em questão as tradicionais estratégias identificatórias constitutivas da subjetividade. Frente a isso, este artigo parte do pressuposto de que o corpo está obsessivamente onipresente porque se tornou um dos sintomas da cultura do nosso tempo. Para desenvolver o pressuposto, são apresentados alguns dos principais fatores responsáveis por esse estado de coisas. The human body is everywhere. Commented, transfigured, object of research and scrutinized in philosophy, feminist thought, cultural studies, the natural and social sciences, the arts and literature. In the media its presence is taken to a climax. How can we explain such omnipresence? For those who are discussing the new cultural formations in this digital era of planetary communication, the phenomenon can be in part explained by the perplexity provoked by the processes of embodiment, disembodiment, and re-embodiment allowed by the technologies of the virtual and the emergent symbiosis between body and machines. When they create the illusion that it is possible to transcend the biological body by means of the disembodiments of simulation, such processes and symbiosis question the traditional identity strategies which constitute subjectivity. In this context, this paper presupposes that the human body is obsessively present because it has become one of the symptoms of our culture. To develop this presupposition, some of the main factors responsible for this state of affairs are discussed.
URI: http://hdl.handle.net/10284/2643
ISSN: 1646-5024
Aparece nas colecções:Nuestra América- Nº5

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
147-163.pdf110,49 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.