Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10284/2453
Título: Controlo do apetite
Outros títulos: fármacos estimulantes e fármacos depressores
Autor: Barros, Ana Margarida
Orientador: Silva, Raquel
Palavras-chave: Controlo do apetite
Mecanismo cognitivo
Mecanismo metabólico
Mecanismo de recompensa
Fármacos estimuladores
Fármacos inibidores
Appetite control
Cognitive mechanism
Metabolic mechanism
Reward mechanism
Stimulating drugs
Inhibiting drugs
Data de Defesa: 2011
Editora: [s.n.]
Resumo: Neste estudo realizou-se um inquérito com entrevistas pessoais a 50 utentes da farmácia onde foi efetuado o estágio. O questionário era composto por uma série de perguntas fechadas e pré-codificadas referentes aos seus hábitos alimentares, desporto e patologias, bem como antecedentes patológicos relacionados com problemas de excesso de peso (variáveis explicativas), de forma a poder correlacioná-las com dificuldade no controlo do apetite e o uso de medicação auxiliar para este efeito (variáveis resposta). A amostra populacional constituída por 56% (28) homens e 44% (22) mulheres possuíam idades entre os 14 e 68 anos. Destes somente 18% (9 pessoas) manifestaram ter problemas de controlo do apetite, dos quais somente 3 pessoas indicam ter falta de apetite. Adicionalmente, verifica-se que dos 18% que indicaram ter problemas de controlo do apetite, a maioria (5 pessoas) admite fazer medicação para tal, embora somente uma tenha indicado estar a fazer acompanhamento médico para o controlo do apetite. De acordo com os estudos que têm vindo a ser efetuados antes de se iniciar um tratamento com fármacos é necessário tentar controlar o apetite, tentado verificar se existe um fator psicológico ou físico que esteja a induzir uma desregulação do mesmo e iniciar uma dieta adequada ao caso. Somente após este conhecimento é que se pode iniciar um tratamento farmacológico e tendo em atenção que ao longo de todo o tratamento o indivíduo deverá ser acompanhado por um especialista. No entanto, e tal também se verificou neste estudo, a maioria das pessoas não consulta um especialista antes de iniciar um tratamento com fármacos, o que pode levar a uma falsa solução, ou seja, uma solução a termo certo, uma vez que assim que terminar o tratamento farmacológico vai voltar à situação anterior. De facto, tendo em atenção que o IMC a partir do qual se considera um individuo obeso é 30 Kg.m-2, verificou-se que 14% dos inquiridos eram obesos e 30% estavam acima da média considerada normal pela OMS. Assim sendo, 44% dos participantes no estudo tinham excesso de peso, muito embora somente 18% admitisse ter problemas de controlo do apetite e 10% de tomar fármacos para tal. Após a análise individual dos parâmetros de análise efetuou-se um teste de Qui-Quadrado de independência variáveis e um teste de correlação de Pearson, verificando-se que somente existe uma correlação positiva entre uma dificuldade de controlo de apetite e a ingestão de alimentos ricos em açúcar. Este facto poderá estar relacionado com o IV mecanismo de recompensa associado à ingestão de açúcares, que é uma das vias biológicas de controlo do apetite - a via cognitiva. This study was performed in a pharmacy were 50 personal interviews were carried out. The questionnaire versed on a series of closed and pre-coded questions regarding their eating habits, sports and diseases, as well as history disease-related with overweight problems (explanatory variables) in order to correlate them with difficulty in appetite control and the use of medication to help this effect (response variables). The population sample consists of 56% (28) men and 44% (22) women, aged between 14 and 68 years. Of these only 18% (9 people) reported having problems with appetite control, of which only 3 people refer to have lack of appetite. Additionally, it appears that the 18% who indicated having problems with appetite control, the majority (5 people) admit to use medications for this problem, although only one has indicated to be making medical monitoring. According to prior studies before initiating treatment with drugs is necessary to try to understand the problem beneath the difficulty in controlling the appetite. It is necessary to see if there is a psychological or physical fator that is leading to a deregulation of it and initiate a proper diet according with the case. Only after this knowledge you can start a drug treatment and bearing in mind that throughout the treatment the individual should be accompanied by an expert. However, and this was confirmed in this study, most people do not consult a specialist before starting treatment with drugs, which can lead to a false solution, i.e., a fixed-term solution, since as soon as drug treatment is over they will return to the previous situation. In fact, bearing in mind that the IMC at which an individual is considered obese is 30 kg.m-2, it was found that 14% of inquiries were obese and 30% were above average considered normal by the OMS. Thus, 44% of study participants were overweight, even though only 18% admitted having problems with appetite control and 10% take drugs for it. After the analysis of individual parameters a chi-square analysis, to test the independence of qualitative variables, and a Pearson correlation test was carried out verifying that there is only a positive correlation between the difficulty in controlling the appetite and the intake of rich in sugar food. This may be related to the reward mechanism associated with the intake of sugars which is one of the biological paths to control the appetite – cognitive mechanism.
Descrição: Trabalho apresentado à Universidade Fernando Pessoa como parte dos requisitos para obtenção do grau de Mestre em Ciências Farmacêuticas.
URI: http://hdl.handle.net/10284/2453
Aparece nas colecções:FCS (DCF) - Outros Trabalhos Académicos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
TM_16493.pdf725,46 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.