Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10284/2292
Título: O Curdistão no Iraque, ensaio de uma Nação
Outros títulos: contexto e desafios
Autor: Peixinho, Maria de Fátima Amaral Simões
Orientador: Sobral, Ivo
Data de Defesa: 2011
Editora: [s.n.]
Resumo: O povo curdo representa a maior etnia do mundo sem pátria. Habitualmente recordados pelo imaginário colectivo no quadro do martírio que sofreram na Segunda Guerra do Golfo, mas também pelo activismo terrorista do PKK, importa perceber verdadeiramente quem são. Nesta dissertação abordamos de forma sumária a história deste povo, atravessando necessariamente a memória da área geográfica onde se incluem, o Médio Oriente, e as convulsões que marcaram os ciclos da sua evolução. O povo curdo e o seu território são indissociáveis, pelo que, até ao final da primeira Guerra Mundial, a abordagem é conjunta. Depois da definição artificial de fronteiras realizada pelos Tratados subsequentes aos Acordos de Paz, a dissertação concentra-se na experiência do Curdistão no Iraque. Com efeito, o território curdo no Iraque, a sua história, evolução e marcas da actualidade foram objecto de uma análise mais detalhada. Trata-se da experiência mais próxima da independência que os curdos vivenciaram, excluindo o caso excepcional da república de Mahabad. Com esta dissertação pretendemos desmontar a história de um povo praticamente desconhecido e tentar perceber até que ponto a experiência pioneira de um Estado quase independente poderia potenciar uma futura independência, ou experiências similares, nos vizinhos territórios curdos da Turquia e do Irão. The Kurdish people represents the biggest ethnic group in the world without a homeland. Usually remembered on account of the torment they lived during the Second World War, but also because of the PKK activism, we need to understand who they really are. In this paper we approach the history of this people, crossing the memory of the Middle East and the moments of disturbance that defined the cicles of its evolution. The Kurds and its territory are connected, so then until the end of the First World War, there‟s a joint approach of both of them. After the artificial borders definition proposed by the Treaties following the Peace Agreements, this paper work focuses the Kurdish Iraqi experience. In fact, Kurdish Iraq, its history and evolution were the object of a deeper and detailed analysis. It‟s the closest experience of independence the kurds ever lived, excluding the exceptional, but short case, of the Mahabad Republic. We intend to disassemble the history of an almost unknown people and understand how its pioneer experience could encourage a future independence, or similar actions in the neighbor countries of Turkey and Iran.
Descrição: Dissertação apresentada à Universidade Fernando Pessoa como parte dos requisitos para obtenção do grau de Mestre em em Relações Internacionais com o Mundo Árabe e Islâmico.
URI: http://hdl.handle.net/10284/2292
Aparece nas colecções:FCHS (DCPC) - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
DM_20744.pdf1,03 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.