Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10284/2259
Título: O Divórcio como Dinâmica Intergeracional
Outros títulos: estudo teórico-prático numa amostra de casados e divorciados
Autor: Azevedo, José Paulo Lopes
Orientador: Gomes, Francisco Sampaio
Data de Defesa: 2011
Editora: [s.n.]
Resumo: A dinâmica intergeracional do divórcio é um fenómeno actual que se caracteriza pelo aumento significativo do risco de divórcio entre filhos de divorciados. Partindo de uma visão sistémica do desenvolvimento sócio-emocional do indivíduo, o presente trabalho começou por rever as características das uniões conjugais e os factores que podem desencadear ou influenciar a experiência de uma ruptura conjugal. A tradição de pesquisa dos factores intergeracionais do divórcio ora examina as consequências económicas e sociais decorrentes do divórcio parental (i.e., numa perspectiva sociológica), ora estuda a dimensão genética e ambiental de traços propensos ao divórcio (i.e., numa perspectiva psicobiológica). O presente trabalho propôs-se explorar estas variáveis. Em particular, pretendeu-se avaliar o contributo da vinculação no adulto enquanto factor de risco psicobiológico para o divórcio, pois diversos estudos apontam a sua influência na qualidade das relações conjugais. Para o efeito, conduziu-se uma investigação transversal de uma amostra de 120 participantes, estratificados por estado civil e estado civil dos pais. Através de um protocolo auto-administrado, foi recolhida informação sócio-demográfica, avaliada a importância dos principais motivos de divórcio, e completada a Escala de Vinculação do Adulto (EVA; Canavarro, 1999). Estudou-se o efeito da estratificação da amostra na idade de casamento e do primeiro emprego, nos níveis de conflito percepcionados na relação parental e na relação conjugal, nas pontuações da EVA obtidas para cada padrão de vinculação do adulto, e na importância atribuída aos principais motivos de divórcio. Foram ainda exploradas as associações entre a importância atribuída aos motivos de divórcio avaliados e os níveis de conflito conjugal e parental. Finalmente, uma análise discriminante permitiu identificar as variáveis mais ―preditoras‖ da situação conjugal dos sujeitos. Os resultados são discutidos à luz dos dados empíricos actuais que indicam influências intergeracionais nos repertórios relacionais dos cônjuges, particularmente durante situações de conflito conjugal. O presente trabalho encerra enumerando as conclusões empíricas do estudo, assim como as suas maiores limitações, apontando desse modo sugestões metodológicas para estudos futuros a implementar nesta área de interface entre a Psicologia do Desenvolvimento e a Psicologia Familiar e Conjugal. The intergenerational dynamics of divorce is a current phenomenon characterized by a significantly increased risk of divorce among the children of divorcées. From a systemic focus on the individual’ social and emotional development, this work started by reviewing the features of marriage and the factors that may trigger or determine the experience of a marital rupture. The usual research on the intergenerational determinants of divorce, either examines the social and economic consequences of parental divorce (i.e., within a sociological perspective), or studies both the genetic and the environmental dimensions of divorce-prone traits (i.e., within a psychobiological perspective). The present work sought to explore these factors. Particularly, it intended to assess adult attachment contribution to divorce as a psychobiological risk factor, because several studies indicate its influence in the quality of marital relationships. For this purpose, a cross-sectional study was conducted with a sample of 120 participants, stratified by marital status and parental marital status. Through a self-administered protocol, participants reported social and demographic data, assessed the importance of the foremost known causes for divorce, and completed the Portuguese version of ―The Adult Attachment Scale‖ (EVA; Canavarro, 1999). The effect of sample stratification was studied for the following variables: age at marriage, age at the first job, parents’ marital conflict, marital conflict, EVA scores for each adult attachment pattern, and the scores for each of the main causes of divorce. Furthermore, correlations between the scores for the causes of divorce and the levels of both parents’ and participants’ marital conflict were determined for the whole sample. Finally, a discriminant analysis allowed pinpointing the variables with the highest predictive power regarding participants’ marital status. The results are discussed considering empirical evidence of intergenerational influences on the spouses’ interpersonal behaviours, particularly during marital conflict episodes. The present work ends by listing the key conclusions of the study together with its major shortcomings, thereby providing some methodological suggestions for coming studies to be run in this field, intertwining Developmental, Family and Marital Psychology.
Descrição: Dissertação apresentada à Universidade Fernando Pessoa como parte dos requisitos para obtenção do grau de Mestre em Psicologia, especialização em Psicologia Clínica e da Saúde.
URI: http://hdl.handle.net/10284/2259
Aparece nas colecções:FCHS (DCPC) - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
DM_5654.pdf783,55 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.