Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10284/223
Título: Crítica do Método Indutivo na Pesquisa Petrolífera
Autor: Cramez, Carlos
Palavras-chave: Indução
Método Hipotético
Karl Popper
Pesquisa de Hidrocarbonetos (Exemplos)
Data: 2003
Resumo: As principais mensagens passadas nesta monografia são que a Ciência e, em particular, a pesquisa petrolífera (i) começa sempre um por problema e não por observações, e (ii) a Teoria precede sempre a observação. Quer isto dizer que as teorias não derivam de uma acumulação de observações sem ideias apriorísticas. Na realidade, em Portugal, os professores de Geologia, que ainda seguem o método proposto por Bacon (indução), quando vão para o campo com os alunos, têm grandes problemas quando dizem aos mesmos para observar. Com efeito, a resposta imediata dos alunos é: Mas oh senhor professor, o que é que nós devemos observar? É, em geral, a partir deste momento, que certos professores descobrem que os estudos geológicos começam sempre por problemas para resolução dos quais se avançam, em primeiro lugar, hipóteses, só depois se passando a colher dados de observação que permitam criticar as hipóteses avançadas e, assim, escolher a menos falível. Além disso, as observações a efectuar com vista a corroborar ou a rejeitar as hipóteses avançadas, têm obrigatoriamente incidir sobre temas previamente já estudados, pois a afirmação de que “a Teoria precede a prática” quer, afinal, dizer que no decurso de uma sessão de observação ninguém é capaz de ver aquilo que ainda desconhece.
URI: http://hdl.handle.net/10284/223
Aparece nas colecções:3ERL - Congress and other Meeting Presentations/ Apresentações em Congressos e em Outras Reuniões

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
CriticadoMetodoIndutivo.pdf564,27 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.