Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10284/1710
Título: “Drunkenness and Dreams”
Outros títulos: inebriation and the dream quest among North American Indians
Autor: Trenk, Marin
Data: 2000
Editora: Edições Universidade Fernando Pessoa
Citação: Antropológicas. Porto. ISSN 0873-819X. 4 (2000) 173-191.
Relatório da Série N.º: Antropológicas
4 (2000)
Resumo: Este artigo argumenta que, juntamente com os sonhos, a embriaguez é percebida pelos Índios da América do Norte como um meio de comunicação com o mundo do espírito. Os primeiros missionários cristãos explicavam a paixão dos nativos pela bebida pela sua auto-avaliação exagerada e pelo desejo de poder, pensando que o álcool e os sonhos constituíam os obstáculos principais para a conversão dos Índios ao Cristianismo. Por outro lado, as explicações dos indígenas para este fenómeno são diferentes das dos observadores brancos. Como é sugerido pelos exemplos das tribos de Ojubwa, de Potawatomi, de Ottawa e muitas outras, os Índios explicam a ligação entre embriaguez e sonhos pela ausência temporária da alma que se encontra a viajar no mundo do espírito. É por isso que uma pessoa embriagada pode ser vista como ‘sagrada’. O álcool, por si só, não causa halucinações, mas o sonho profundo que ele provoca pode ser uma maneira de experienciar ‘visões sagradas’. This paper argues that, along with dreams, drunkenness is perceived by North American Indians as a means of communication with the world of spirit. Early Christian missionaries explained the natives’ passion for drink by their inflated self-esteem and urge for power, regarding alcohol and dreams as the main obstacles on the way to the Indians’ conversion to Christianity. On the other hand, indigenous explanations of drunkenness differ from those of white observers. Drawing on the examples ranging from the Ojibwa, Potawatomi, Ottawa and twentieth-century Montagnais-Naskapi, to the early seventeen-century Micmacs and contemporary Numa and Tarahumara, the author demonstrates that the Indians account for the connection between drunkenness and dreams by a temporary absence of the soul that travels in the world of spirit. That is why a drunken person can even be regarded as ‘sacred’. Alcohol itself does not cause hallucinations but the sound sleep it induces can be a way of experiencing ‘sacred visions’.
URI: http://hdl.handle.net/10284/1710
ISSN: 0873-819X
Aparece nas colecções:Nº 04 (Ago. 2000)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
173-191.pdf144,44 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.